Data: 09 de julho (quinta-feira)
Horário: 19h

Painel “A cidade de Curitiba conhece o impacto na economia do setor de eventos?”

Vamos discutir no 09 (quinta-feira), às 19h, no painel online “A cidade de Curitiba conhece o impacto na economia do setor de eventos?”.
De todos os setores da economia nacional, o trade de turismo de negócios e eventos é um dos poucos ainda sem uma estratégia de retomada definida. É por isso que as principais entidades paranaenses do segmento (que impulsiona diversas cadeias econômicas e acumula perdas consideráveis na casa dos R$ 80 bilhões apenas nos dois primeiros meses de pandemia), se uniram para promover um evento remoto que tem o intuito de desenhar definitivamente as ações de retomada da economia.
Idealizado pelo Curitiba e Região Convention e Visitors Bureau (CCVB) e com mediação do Sebrae, reunirá representantes das instituições pertencentes ao G5 – Fecomércio, Associação Brasileira das Agências de Viagens do Paraná (ABAV-PR), Associação Brasileira de Empresas de Eventos Regional Paraná (ABEOC-PR), Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Paraná (ABiH-PR), Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel-PR) e Sindicato Empresarial de Hospedagem e Alimentação (SEHA-PR) – para falar sobre o setor de eventos no Estado e como buscar o retorno gradual às atividades com segurança.
Esta não é a primeira movimentação das entidades, que, juntas, enviaram reivindicações aos governos do Estado do Paraná e do Município de Curitiba em abril e maio, como flexibilização no pagamento de insumos como energia elétrica, água e gás, de impostos como IPTU e ISS, além da premente necessidade de liberação de linhas de crédito. O G5 convidou as entidades municipais e estaduais para debaterem junto o tema.
O setor de turismo de negócios e eventos movimenta mais de 52 segmentos e movimentou em 2019 mais de R$ 936 Bi, além de gerar mais de 25 milhões de empregos. Em 2019, Curitiba sediou 183 técnico-científicos, com mais de 228 mil participantes e 114 mil pessoas de fora da cidade, que gastaram em torno de 108 milhões de reais nos estabelecimentos da cidade.